Em seu centenário, companhia aérea relembra brasileiras pioneiras da aviação

foto: Divugação/KLM

Empoderamento feminino não é novidade. Pelo menos, não foi para essas três brasileiras.

Prestes a completar cem anos, no próximo dia 7 de outubro, a holandesa KLM relembra histórias de conquistas femininas na aviação, a partir da biografia de três brasileiras.

Com mais de 34 milhões de passageiros transportados, em 2018 , a empresa é a companhia aérea mais antiga que ainda opera com seu nome original e, desde  2004, faz parte do Grupo Air France-KLM.

Mas, no Brasil, tudo começou com Thereza de Marzo.

Thereza de Marzo (foto: Instituto Embraer/Divulgação)

VEJA TAMBÉM: “Nos 110 anos do 14-bis, confira atrações turísticas relacionadas a Santos Dumont”

Essa paulistana é considerada a primeira brasileira a receber o diploma de piloto-aviador internacional. Sem apoio da família, rifou uma vitrola, foi a pé até o Aeródromo Brasil e se matriculou nas aulas de voo.

Isso tudo em pleno ano de 1922, quando se tornou a primeira mulher a pilotar sozinha. Thereza também criou as “Tardes de Aviação”, como eram chamados seus voos panorâmicos com passageiros.

Em 1926, casou-se com o instrutor Fritz Roesler e foi proibida de voar, após acumular 300 horas de voo.

Anésia Pinheiro Machado (foto: Instituto Embraer/Divulgação)

LEIA TAMBÉM: “Vai pegar avião no feriado? Saiba o que dizem órgãos oficiais e cias aéreas”

A segunda mulher a receber o diploma de pilotagem no Brasil foi Anésia Pinheiro Machado, conhecida como a primeira mulher a realizar um voo interestadual no Brasil, de São Paulo ao Rio de Janeiro. Em comemorações pelo centenário da independência brasileira, o feito chegou a ser elogiado por ninguém menos que Alberto Santos Dumont.

Em 1951, voou em um monomotor de Nova York para o Rio de Janeiro e chegou também a atravessar a Cordilheira dos Andes. Sete anos mais tarde, seria reconhecida como Decana Mundial da Aviação Feminina, na Conferência de Istambul, pela Federação Aeronáutica Internacional (FAI).

Ada Rogato (foto: Divugação/KLM)

Mais intrépida, Ada Rogato foi outra das pioneiras da aviação. Foi a primeira brasileira a obter licença como paraquedista, a primeira a pilotar um planador, a terceira a obter brevê (em 1935, após Thereza e Anésia) e a primeira pilota agrícola do Brasil.

Sempre sozinha, Ada realizou mais de 200 voos de patrulhamento voluntário no litoral paulista e, em 1950, atravessou os Andes onze vezes e voou mais de 50 mil quilômetros pelas Américas, chegando até o Alasca.

Mas não parou por aí, não.

A paulistana também foi pioneira ao cruzar, sozinha, a região amazônica em uma aeronave sem rádio, tendo como guia apenas uma bússola.

SAIBA MAIS: “De museu a vídeo game: veja serviços no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris”

* com informações da KLM

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*