[CRÔNICA] Ana de que?

– A Ana, por favor?

Eu acabara de descer do bonde lotado e mal conseguira colocar a camisa no lugar.

– Ana de que? – devolveu a portuguesa da recepção, deixando bem claro que a entrada ao mosteiro não seria tão simples.

– Sabe o que é? A gente se falou por e-mail, trocou um monte de mensagens, mas eu não sei o sobrenome dela.

– Sem o sobrenome eu não posso ajudar – respondeu querendo encerrar a conversa e passar para o próximo. Aquela era uma das atrações mais visitadas de Lisboa e a fila atrás crescia.

– Eu sou jornalista e estou aqui a convite do escritório de turismo para fazer uma…

– Sem saber o nome completo eu não posso anunciar nenhuma Ana – me interrompeu a recepcionista.

foto: Francesca Dioni/Flickr-Creative Commons

Ensaiei o celular sem sinal, folheei papéis sem sobrenome e nada da Ana.

– Aqui tem muitas Anas – ultimou.

– Vem cá, quantas Anas tem no departamento de comunicação? – tentei mais uma vez.

– Uma só.

– Pois é com essa mesma que eu quero falar.

E ainda entrei sem pagar.

LEIA TAMBÉM: “Aulas de português na África”

* Neste link, você confere todas as crônicas publicadas no site

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*