Conheça Baía Formosa, a cidade natal do surfista Ítalo Ferreira

Nos últimos dias, a pequena Baía Formosa foi notícia em diversos países.

Não que o mundo tenha se interessado (mas deveria) por suas belas praias com bons ventos para prática de esportes náuticos e faixas de areia isoladas, mas por seu mais novo filho ilustre.

O formosense Ítalo Ferreira, 27, acaba de se tornar o primeiro surfista a ganhar medalha de ouro pelo esporte, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021. E a saudade de casa era tanta que mal desembarcou em São Paulo, adiantou a passagem e chegou antes do previsto à sua terra natal para…surfar.

Baía Formosa, no Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “O que fazer no Rio Grande do Norte”

No litoral sul do Rio Grande do Norte, Baía Formosa tem 26 quilômetros de praias que podem ser visitadas em passeios de buggy até a Praia do Sagi, na divisa com a vizinha Paraíba.

Outro atrativo deste destino a menos de 100 km da capital potiguar é o Farol de Bacopari, construção com 17 metros de altura e alcance de até 30 quilômetros.

É ali que fica também a Mata da Estrela, maior reserva de Mata Atlântica do estado e endereço da Lagoa da Coca Cola, que recebe esse nome por conta de suas águas escuras, devido ao solo rico em iodo e ferro, e à pigmentação das raízes das árvores.


VEJA ATRAÇÕES NO LINK

VEJA TAMBÉM: “Galinhos: o Rio Grande do Norte que passa devagar”

Turismo no ritmo dos ventos

Do outro lado do estreito rio Catú, onde carros seguem sobre jangadas rústicas de madeira até a margem seguinte, a Barra do Cunhaú dá as costas para o turismo de massa e segue a vida na direção dos ventos.

Essa simpática vila de pescadores fica no município de Caguaretama, vizinha a Baía Formosa, e é um dos cenários ainda desconhecidos dos 400 km do litoral potiguar. É ali que o rio vira mar (ou o contrário, de acordo com a posição dos ventos), uma ilusão de ótica que faz a gente confundir mar e rio.

Barra do Cunhaú (foto: Eduardo Vessoni)

Para um primeiro contato, comece com o passeio de barco pelo rio Curimataú, em que os passageiros descem para conhecer os mangues do outro lado da margem, realizar trilhas curtas e conhecer a (quase) deserta Praia da Restinga, conhecida também como Praia do Outro Lado e já em território da vizinha Baía Formosa.

Se o programa do dia for fazer nada, contrate alguma das pequenas embarcações no centro do vilarejo e peça para desembarcar em algumas das praias desertas da margem direita do rio Curimataú. Seja qual for o endereço, a sensação é sempre a de ser o primeiro turista naquelas terras alagadas e protegidas dos ventos. Confira web story neste link

VEJA FOTOS

LEIA TAMBÉM: “Galinhos: o Rio Grande do Norte que passa devagar”

2 Comentários

  1. Isso é um paraíso de Deus. É por isso que italo ferreira, não via a hora de de se reencontrar com sua identidade. Pretendo conhecer esse lugar, e já estive bem próximo daí, e quem sabe se Deus quiser estarei aí antes do final do ano.🙏

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*