Conheça ‘Justa’, a brasileira que salvou judeus do nazismo e será minissérie

Em tempos de Alemanha nazista, um judeu abrir a porta para alguém da força paramilitar SS (Schutzstaffel, em alemão) significava problemas. Mas o jovem oficial que chegou ao consultório de Hugo Levy tinha outras intenções.

Zumkle queria agradecer por ter sido amamentado pela mãe do cirurgião-dentista e vinha também para avisar que o país já não era seguro para Levy e sua esposa Margarethe, “judeus não praticantes e, extremamente, liberais”.

Essas e outras histórias, dignas da lista de Schindler, costuram o livro ‘Justa. Aracy de Carvalho e o resgate dos judeus: trocando a Alemanha nazista pelo Brasil’, cuja pesquisa é uma das referências bibliográficas para a minissérie ‘O Anjo de Hamburgo’ que a Globo deve estrear após a pandemia de coronavírus (veja box mais abaixo).

Aracy de Carvalho, em Hamburgo, em 1939 (foto: editora Record)

VEJA TAMBÉM: “Diários de viagem de Albert Camus é o Brasil que a gente não esqueceu”

A paranaense Aracy era secretária no consulado brasileiro em Hamburgo, onde conheceu o cônsul adjunto João Guimarães Rosa. Foi ali que facilitou a fuga de judeus perseguidos pela política, cada vez mais, restritiva na Alemanha de Hitler e no Brasil de Getúlio Vargas.

Entre as manobras, Aracy chegou a alterar documentos dos Levy, distribuiu alimentos em tempos de racionamento para judeus, ajudou-os a transferir dinheiro para o Brasil e transportou “vários deles em seu automóvel de placa diplomática”.

Aracy de Carvalho diante da auto-escola de Josef Heinz Bühn, onde aprendeu a dirigir, em 1937 (foto: editora Record)

“Não só procurei conceder-lhes os vistos, como escondi alguns na minha própria casa e até no porta-malas do carro para atravessar a fronteira”, afirma Aracy, em uma de suas citações no livro ‘Justa’.

‘Justa’

Aracy de Carvalho Moebius escolheu a desobediência para a sua vida. Separou-se do primeiro marido em plenos anos 1930 e se arriscou com o filho pequeno na Alemanha, em uma época em que o normal era a emigração para as Américas.

Por salvar judeus da “deportação e do extermínio”, Aracy recebeu do Museu do Holocausto de Jerusalém (Yad Vashem) o título de “Justa entre as Nações”, em 1983.

Homenagem a Aracy de Carvalho, em Israel (foto: editora Record)

O título é marcado com uma árvore na Avenida dos Justos, em Jerusalém, e “permite a comemoração pública de uma integração coletiva bem-sucedida”, nas palavras da autora de ‘Justa’, Mônica Raisa Schpun.

O memorial israelense concedeu mais de 20 mil títulos como o de Aracy, dos quais 30 foram para diplomatas. “Destes trinta, dois são brasileiros” (o outro era Luiz Martins de Souza Dantas, embaixador na França, de 1922 a 1934).

Aracy seria a única mulher. Única e justa.

‘O Anjo de Hamburgo’
Sem previsão de estreia ainda, a série foi gravada em Buenos Aires e no Rio de Janeiro.

Com direção artística de Jayme Monjardim e roteiro de Mario Teixeira, ‘O Anjo de Hamburgo’ terá dez capítulos e elenco de diferentes nacionalidades como o brasileiro Tarcísio Filho, Peter Ketnath (Alemanha), Sivan Mast (Israel) e Izabela Gwidzak (Polônia) como Margarethe Levy.

Sophie Charlotte em gravação da série em Buenos Aires (foto: Jayme Monjardim/TV Globo)

Sophie Charlotte será Aracy de Carvalho e o ator Rodrigo Lombardi, o escritor João Guimarães Rosa.

Nas quase três décadas de romance com o autor de “Grande sertão: veredas”, seu segundo marido, Aracy seria mais do que uma dedicatória na abertura da obra mais famosa do escritor.

Sophie Charlotte e Rodrigo Lombardi, em gravação da série em Buenos Aires (foto: Jayme Monjardim/TV Globo)

“Aracy é pouco conhecida no Brasil e, em geral, as pessoas se lembram dela como a esposa do escritor Guimarães Rosa. Uma mulher inteligente, empática, batalhadora e que não cruzou os braços diante do que via ao seu redor”, define Jayme Monjardim, em nota enviada para o Viagem em Pauta.

Para o autor Mario Teixeira, a série é “uma história muito especial de uma mulher (…) que viveu sua vida tentando salvar a de outras pessoas”.

De acordo com a assessoria de comunicação da TV Globo, ‘ O Anjo de Hamburgo’ é livremente inspirada no livro ‘Justa’ e será a primeira produção da emissora totalmente em inglês, em parceria com a Sony Pictures.

VEJA TAMBÉM: “30 anos depois, Muro de Berlim ainda é atração turística, na Alemanha”

De lá para cá

Diferente de tantas outras obras dedicadas ao assunto, ‘Justa’ não se propõe a descrever métodos de tortura e genocídio em campos de concentração. São histórias sobre deslocamentos em busca de liberdade, a partir de anotações de uma brasileira de Rio Negro (Aracy) e da memória, às vezes falha, de uma alemã (Margarethe).

A primeira deixou o Brasil para trabalhar no consulado brasileiro em Hamburgo; e a segunda, de vida privilegiada na Europa, largou tudo para reescrever sua história, longe da perseguição aos judeus.

Uma enfrentava a guerra e a outra encarava um novo mundo.

Doutora em História e pesquisadora da EHESS (Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais), em Paris, Mônica Raisa Schpun contextualiza as duas principais histórias na Hamburgo e na São Paulo do final dos anos 30.

Enquanto a libertária e internacional cidade alemã aderia à onda de perseguição a judeus, São Paulo alimentava sua fama de motor do Brasil.

Porém, assim como na entrevista, à época do lançamento do livro, ‘Justa’ não é uma biografia, já que havia pouca documentação relacionada a Aracy.

“O que tem ali já foi tirar água de pedra”, confessou ao Sabático, então caderno literário do jornal O Estado de S. Paulo.

Aracy de Carvalho (no centro), Margarethe Levy e Eduardo Tess, em foto tirada em 25 de julho de 1987 (foto: editora Record)

Se você procura uma pesquisa profunda, daquelas com dados precisos que vão de relatos orais a documentos oficiais daqui e da Alemanha do Terceiro Reich, a obra justifica suas mais de 500 páginas sobre a imigração judaica no Brasil.

Mas se você espera uma história fácil sobre mulheres fortes, cujos dramas pessoais têm fôlego para roteiro de série de TV, o livro pode não ser para você.

Por conta da falta de dados biográficos e de uma certa lembrança apagada da memória de Margarethe Levy, o livro toma outros rumos que acabam afastando o leitor das histórias das protagonistas.

‘Justa’ se debruça também no itinerário migratório de outras 16 pessoas.

Vale lembrar que a Civilização Brasileira é o braço acadêmico do Grupo Editorial Record, daí a densidade e relevância da pesquisa nessa obra de 2011.

SAIBA MAIS

“Justa. Aracy de Carvalho e o resgate dos judeus: trocando a Alemanha nazista pelo Brasil”
por: Mônica Raisa Schpun
(editora Civilização Brasileira)

www.record.com.br

LEIA TAMBÉM: “Seis hotéis inusitados que você não deve deixar de conhecer na Alemanha”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*