Conheça Russas, a cidade do Ceará que é cenário do filme ‘Pacarrete’

“Pacarrete é forte como um mandacaru”

(PACARRETE)
Cena de ‘Pacarrete’, com Marcélia Cartaxo e João Miguel (foto: Luiz Alves/Divulgação)
A

pequena Russas é a terra da laranja doce, das telhas vermelhas e mais, recentemente, virou coisa de cinema.

Terra natal do diretor cearense Allan Deberton, essa cidade de quase 80 mil habitantes, no sertão cearense, é o cenário de ‘Pacarrete’, a comovente história da personagem homônima de 70 cm de cintura, que só anda “cheirosa e todo emperiquitada”, e queria ser artista.

Mas Pacarrete é louca. Não só pelo comportamento explosivo que afasta quem pisa na sua calçada, mas também porque quer se apresentar como bailarina na festa de 200 anos de Russas.

“Eu também faço parte dessa cidade”, diz a protagonista ao tentar convencer uma funcionária da secretaria de cultura local da sua “apresentação de balé em horário nobre”.

O filme ‘Pacarrete’ é sobre a loucura, sobre sonhos e sobre os desafios de ser artista em um Brasil interior que parece só ter ouvidos para a música mais popular. Sua rudeza só enfraquece quando Pacarrete, metida em saia tutu e na ponta dos pés, dança balé.

VEJA TRAILER

LEIA TAMBÉM: “Interior do Rio Grande do Norte tem castelo inusitado, em meio ao agreste”

Mostra a tua cara

Em um cinema nacional que costuma contar histórias ambientadas em cidades nordestinas fictícias, ‘Pacarrete’ é o Nordeste que mostra a cara e não reforça as velhas imagens sobre a região.

Livremente inspirado em uma conterrânea de Allan Deberton, que faz sua estreia no longa-metragem, essa obra sensível que levou mais de uma década para ficar pronta se passa em Russas, no Vale do Jaguaribe, e é um resgate das lembranças do próprio diretor.

“[O filme] é movido por uma locomotiva de sensações”

(Allan Deberton – diretor)

E quem conduz com maestria essa viagem pelo interior cearense é a atriz paraibana Marcélia Cartaxo (‘A Hora da Estrela’, ‘Madame Satã’ e ‘Big Jato’), que estampa na tela uma espécie de Edith Piaf sertaneja (do figurino parisiense ao comportamento explosivo).

“A minha cabeça é cheia de palavras e se eu não gritar, eu fico louca”
(Pacarrete)

João Miguel e Marcélia Cartaxo em cena de ‘Pacarrete’ (foto: Luiz Alves/Divulgação)

VEJA TAMBÉM: “Cidade de Goiás, histórica e psicodélica, é cenário da nova série da Netflix”

A protagonista é rude com quem não entende sua arte, mas consegue ser doce quando se encontra com o compreensível Miguel, interpretado pelo ator João Miguel (‘Cinema, Aspirinas e Urubus’e ‘Estômago’). É como se os espinhos de um mandacuru revestissem o corpo suave de Anna Pavlova.

Aliás, uma das cenas mais impactantes de todo o filme bebe n’A Morte do Cisne’, criação da bailarina russa que inspira Pacarrete não só na velha fita cassete revista com frequência por ela, mas também na cena em que… (bom, Pacarrete não ia gostar nada se contássemos o final da história).

Cena de ‘Pacarrete’ (foto: Luiz Alves/Divulgação)

A minúscula Russas é a França que Pacarrete idealizou para dar sentido a seu sonho. A protagonista arrisca algumas palavras em francês, acompanha a cotação do euro para quando for a Paris e sua trilha sonora vai de Tina Tunner a Tchaikovsky, do ay-ay-ay do chileno Paul Mauriat ao yé-yé de Sylvie Vartan.

“Ela é muito culta e tem um corpo que fala todo o tempo”, define Marcélia que, para assumir o papel, estudou francês e fez aulas de ballet, voz e canto, além das supervisões do coreógrafo Fauller e da bailarina cearense Wilemara Barros.

O filme ‘Pacarrete’ é regional, mas sua história universal caberia em qualquer outro lugar do planeta. Desde que foi lançado, em 2019, já passou por 39 Festivais, entre Gramado e a China, ganhou 27 prêmios e pretende, merecidamente, ser o representante do Brasil no Oscar 2021.

Para o diretor Allan Deberton, ‘Pacarrete’ é mais do que um filme.

“É fazer justiça com uma mulher que pedia um palco e dizia, aos berros, que ainda iriam ouvir falar dela. Quando eu vejo a plateia em silêncio, sentindo o filme, tenho certeza que estão pensando na vida, no tempo que passa rápido e em alguém que passou e não tivemos a oportunidade de pedir desculpas”.

LEIA TAMBÉM: “O que fazer no Rio Grande do Norte: confira 12 sugestões de destinos”

Russas do filme ‘Pacarrete’


Essa cidade cearense de passado militar guarda diferentes versões sobre a origem do seu nome.

Para a população seria uma referência às éguas de cor ruça (pardo claro) do Seu Bernardo; para estudiosos, uma homenagem aos primeiros moradores da cidade, provenientes da Serra Russas, em Pernambuco.

Marcélia Cartaxo em cena de ‘Pacarrete’ (foto: Luiz Alves/Divulgação)

A verdade é que essa cidade a 165 km de Fortaleza, um dos mais importantes centros econômicos do Vale do Jaguaribe, está longe de ser preferência turística para quem viaja pelo Ceará. Suas poucas opções turísticas incluem uma igreja matriz do início do século 18 e atrativos naturais como o Rio Jaguaribe, açude, riacho e lagoa.

Palco de antigas congadas e cavalhadas, Russas parece ser o endereço perfeito para uma figura multidisciplinar como Pacarrete. A cidade é terra natal de artistas como o maestro Orlando Leite (ex-aluno de Heitor Villa Lobos), o músico Liduíno Pitombeira e o poeta Francisco Carvalho (Academia Cearense de Letras).

SAIBA MAIS

direção: Allan Deberton

elenco: Marcélia Cartaxo, João Miguel, Zezita Matos, Soia Lira, Samya de Lavor, Débora Ingrid, Edneia Tutti Quinto e Rodger Rogério

distribuição: Vitrine Filmes

parceria: Telecine, Canal Brasil, Mistika, Mix Estúdios e Governo do Estado do Ceará
97 minutos

O filme estreou nos cinemas no último dia 26 de novembro (5ª-feira), em salas de São Paulo, Rio de Janeiro, Niterói, Vitória da Conquista, Brasília, Salvador, João Pessoa, Campina Grande, Natal, Mossoró, Fortaleza, Sobral, Teresina, Curitiba e Porto Alegre.

LEIA TAMBÉM: “Conheça Cabaceiras, a ‘Roliúde’ nordestina, na Paraíba”

CONFIRA FOTOS

LEIA TAMBÉM: “No pós-pandemia, Nordeste é preferência dos brasileiros: veja destinos diferentões”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*